de Jacques Benoit
KIMBERLY

 

 

 

 

Conforme o jornal The Guardian relatou na sua edição de 22 de maio de 2015: Kimberly, uma música carinhosa que leva o nome da irmã dela (o quarto filho), deixa vislumbrar o ambiente no qual Smith cresceu: “Habitações subsidiadas eram algo novo, pós-guerra, que eram construídas para os pobres, em áreas que ninguém queria. A nossa ficava literalmente num pântano. Morávamos do outro lado da rua de um velho celeiro abandonado que foi atingido por um raio logo após o nascimento da Kimberly. Saí de casa e estava com ela no colo, olhando para aquele celeiro em chamas. Centenas de morcegos moravam nele, e dava para escutá-los trissando e vê-los sair voando com as corujas e bacuraus”.

Kimberly é provavelmente o “carro-chefe rítmico” do álbum Horses.

É por isso que, desde o início, queria produzir para aquela composição uma série de peças de formato pequeno, um pouco como notas musicais numa pauta, pequenas peças mais ou menos abstratas, muito sequenciadas; como um quebra-cabeça que lembraria o ritmo forte e fragmentado por trás da arquitetura subjacente da música.

Pequenas peças, porém de formato idêntico, a fim de realçar o outro aspecto de Kimberly, música cuja linha melódica varia pouco, sendo praticamente “falada”, martelada - mas que não deixa de ser linda e hipnótica, devido justamente a este fraseado tão particular, próprio de Patti Smith.

Assim, a ideia de viajar na composição de Smith através dos olhos de uma criança, como se as coisas fossem finalmente vistas e sentidas pelo bebê Kimberly, usando um meio próprio às crianças - seus desenhos, muitas vezes tão desajeitados, mas ao mesmo tempo sempre cheios de frescor e de espontaneidade - surgiu naturalmente.

Tentei resgatar esta espontaneidade, sem artifícios, sem competências particulares, sem tentar construir coisas com minúcia, sem me dar a possibilidade de apagar e recomeçar do zero.
Este tipo de expressão é algo que já tinha experimentado com a minha série Construção!, de 2010, inspirada na construção de Brasília; encontrou em Kimberly uma continuação natural, sob uma forma diferente, claro, mas com a mesma idéia de procurar determinação para alcançar uma forma de expressão igualmente bruta. 

 

 

 

 

E eu posso mergulhar nos seus olhos estrelados, bebê, olhar no fundo dos seus olhos.

Kimberly
Patti Smith - Horses

Kimberly